Pular para o conteúdo
comércio exterior
Mercado
Mundo

Comércio exterior: compreender diferenças culturais é essencial para sucesso das negociações

Com a globalização e tecnologia facilitando as negociações de comércio exterior, as empresas de diversos países estão cada vez mais próximas, porém a busca por fornecedores, clientes ou parceiros que garantam segurança e qualidade é bem complicada e pode muitas vezes esbarrar em problemas como um choque cultural.

Existem características muito interessantes e diversas quando o tema é a cultura de um determinado país.  Assuntos como religião, esporte e política podem levar a opiniões, costumes e culturas totalmente diferentes quando vistas em um país do ocidente e em um país do oriente, por exemplo, e são essas diferenças que podem decidir uma negociação internacional e até transformar uma operação logística inteira.

Apesar de o Brasil ser um país com uma tradição de ser bem receptivo, não se deve esperar que os países com quem a empresa irá negociar também tenha tamanha abertura. Na maioria dos casos, são encontradas culturas e tradições muito bem enraizadas nas empresas e pouca receptividade. Além de, em alguns casos, os objetivos da negociação são diferentes, sendo valorizados por algumas competências, relações duradouras, preço competitivos e até mesmo a adaptação cultural. Como o princípio dos negócios internacionais é o respeito e adaptação que uma cultura possui em relação a outra, antes de qualquer negociação, é indicado compreender tradições e o país com o qual sua empresa deseja realizar negociações.

Além das formas de negociação, modais de transporte, formas de pagamento e até mesmo os prazos são influenciados culturalmente ou melhor dizendo, regionalmente, devido a infraestrutura e modal predominante. Outro ponto de extrema importância e que deve ser de conhecimento na hora da negociação é o frete internacional, em alguns países é costume fazer o pagamento apenas após a entrega, em outros esse deve ser antecipado como uma forma de garantia. 

Leis, impedimentos, solicitações especiais e burocracias também podem causar alguns problemas na hora de negociar com países desconhecidos, gerando um efeito cascata em aduanas e complicando toda a operação logística. 

Enfim, a adaptação e respeito às barreiras culturais e regionais são um fator essencial para toda a cadeia logística fluir corretamente. “As empresas envolvidas em comércio exterior precisam ficar atentas a culturas, costumes e tradições dos países em que estão negociando, além disso, podem contar com uma terceirizada na integração logística e evitar certos problemas por desconhecimento de leis e regras locais”, explica a Asia Shipping, maior integradora logística da América Latina.

 

Artigo veiculado originalmente no Portal Terra