Pular para o conteúdo
Mercado
Contract Logistics

Terceirização logística é ideal para reduzir custos e otimizar processos

A terceirização de serviços, não apenas os logísticos, é um tema amplamente discutido por empresas que desejam reduzir custos, facilitar o dia a dia, otimizar tempo e outros benefícios. Quando bem planejada e executada, essa transição e terceirização de serviços auxilia bastante as empresas, que vivem atualmente em um cenário onde os custos aumentam diariamente e o mercado está cada vez mais acirrado.

Uma questão estratégica, a terceirização logística oferta diversas vantagens às empresas que a utilizam de maneira correta, porém grandes prejuízos quando usada de maneira incorreta ou por fins errôneos. Entre os principais motivadores para a terceirização logística estão a redução de custos, o aumento da eficiência operacional e a redução dos investimentos em ativos, porém o objetivo principal desta transformação deve ser mais estratégico, não é apenas contratar serviços, mas sim soluções que irão beneficiar o negócio em diversos aspectos.

A logística, exceto para organizações que atuam no segmento, não é a atividade fim de diversas indústrias, prestadores de serviços e varejo em geral, terceirizar esses serviços possibilita que essas organizações foquem seus esforços no negócio chave. Eliminando obrigações como recrutamento e treinamento de pessoal, aquisição e manutenção dos ativos e sistemas, e a gestão de todas essas atividades.

A terceirização de logística atua de modo a auxiliar no planejamento das melhores estratégias para entrega da mercadoria, controlar o estoque, armazenar e entregar dentro do prazo o produto de modo seguro. Porém estes não são os únicos benefícios que essa mudança oferece para as empresas e os consumidores. Entre os benefícios da terceirização logística, estão: 

 

Otimização de processos

A terceirização da logística garante às organizações: um transporte eficiente, rápido, de acordo com as necessidades e exigências do setor e sem custos muito elevados.

 

Conhecimento logístico

Ao apostar na terceirização logística, a empresa entrega a operação nas mãos de uma empresa com know-how, permitindo a correção de falhas em processos e outras questões de logística. 

 

Tecnologias

Empresas que fazem terceirização logística estão sempre atualizadas com as tecnologias mais avançadas e com a infraestrutura mais adequada do mercado. 

 

Custos

Com a terceirização logística, os custos fixos se tornam variáveis, ou seja, a empresa só irá ter gastos e investimentos no transporte, quando vender e tiver entregas para realizar, além destes serem de acordo com o volume necessário. 

De acordo com a Asia Shipping, maior integradora logística da América Latina, as vantagens oferecidas acima permitem que as empresas se preocupem com fatores decisivos e estratégicos mais ligados ao core business como o relacionamento com o cliente. “Com toda logística organizada, os gestores podem se preocupar com outras questões, e a união entre todos esses fatores garantirão a vantagem competitiva no mercado”, explica.

 

Quer saber mais sobre os benefícios da terceirização logística? Baixe agora o nosso e-book e fique pronto para dar esse grande passo estratégico na sua empresa!

 

 

Mercado
Últimas notícias
Brasil

Com projeto de inovação, Porto de Santos agilizará entrada e saída de cargas

O maior porto da América Latina, não para de inovar! O Porto de Santos, no litoral de São Paulo, será o primeiro no Brasil a implantar o sistema tecnológico de integração de dados do comércio marítimo chamado Port Community Systems (PCS). O projeto, que também está sendo implantado em portos da Índia, da Argentina e do Chile, é capaz de integrar sistemas e informações já existentes, acelerando processos. Com isso, o complexo portuário visa garantir a liberação de cargas de importação em dois dias e agilizar exportações em apenas um dia. 

Com a integração de sistemas, serão eliminados retrabalho e duplicação de formulários, o que além de tempo reduzirá o custo de das exportações e importações. De acordo com a Santos Port Authority, antiga Codesp, a base de dados será desenvolvida com uma programação moderna e integrável por webservices, com os sistemas das demais autoridades e desenvolvimento de uma Application Programming Interface para integrar com sistemas dos clientes, o que facilitará também o comércio exterior para pequenas e médias empresas, aumentando ainda mais o espectro de benefícios dessa implementação que também deve favorecer a criação de novas vagas de emprego na região. 

Financiado pelo Prosperity Fund, um fundo de cooperação do Governo do Reino Unido para países em desenvolvimento, o projeto tem um aporte de 17 milhões de libras, o equivalente a quase R$ 100 milhões. A implementação desse projeto será liderada pela consultoria Palladium UK, e com participação da Aliança Procomex, EY Brasil e da Universidade de São Paulo (USP).  Segundo os líderes do projeto, o desenvolvimento da tecnologia representa 20% do processo. Os outros 80% serão utilizados para a definição de problemas e mapeamento dos procedimentos já utilizados.  

Como maior e mais importante porto do país, o porto de Santos é sempre protagonista nas inovações, porém a modernização não para por aí. A Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, ligada ao Ministério da Infraestrutura, está dando suporte ao projeto e planeja implementá-lo também nos portos do Rio de Janeiro (RJ), Suape (PE) e Paranaguá (PR). 

“A tecnologia e modernização é vista em todos os setores, nos portos não poderia ser diferente. Com mais agilidade e redução de custos, exportadores, importadores, integradores, todas as empresas serão beneficiadas. Começar o projeto pelo porto de Santos é uma ideia corajosa e que levará o nosso país a outro patamar no comércio exterior” explica a Asia Shipping, maior integradora logística da América Latina.


 

Mercado
Mundo

Ano novo chinês: 2020 é o ano do Rato e chineses esperam por renovação

O ano novo chinês, a festividade mais importante para os chineses, foi comemorado há poucos dias.. Também conhecido como o Ano Novo Lunar Chinês porque a sua data é determinada pelo calendário lunar, a data oficial este ano caiu no dia 25 de janeiro, porém a celebração dura 15 dias, durante os quais são seguidos inúmeros rituais e tradições.

2020 é o ano do rato, um período para se abrir à renovação de acordo com o calendário chinês. Além da esperança e o novo olhar para o futuro trazido por cada ano que termina/se inicia, de acordo com a análise da Astrologia Chinesa, este é o fim de um ciclo de 12 anos estabelecido pela passagem de diferentes energias dadas pela sequência de trânsito anual dos 12 signos representados pelos 12 animais, que sempre se inicia com o Rato e termina com o Javali (Porco).

 

Tradições

Assim como em todo tipo de festividade há tradições no Ano Novo Chinês. A cor vermelha, por ser yang e vibrante, é a predominante durante as comemorações do Ano Novo. Além disso, significa transformação, é comum também que as mulheres comprem vestidos novos dessa cor para atrair sorte e amor durante o ano que está começando. Outras cores como roxo e dourado também são utilizadas por atrair boas vibrações, riqueza e prosperidade. 

Durante os 15 dias de comemoração, as pessoas acendem lanternas vermelhas e penduram-nas diante da porta principal com o propósito de afastar o azar e vibrações negativas. Na véspera do Ano Novo, os chineses limpam e arrumam a casa, cortam o cabelo, fecham as contas, presenteiam os deuses que protegem a casa, preparam as roupas, organizam a empresa e o comércio. Além de se reunirem para saborear a última refeição do ano com a família, e é claro, o banquete é repleto de pratos e alimentos auspiciosos que atraem todo tipo de sorte, riqueza e felicidade.

No primeiro dia do ano é comum as crianças e os solteiros da casa serem presenteados pela matriarca da casa (avó ou bisavó) com um envelope vermelho com dinheiro. Este envelope é oferecido com propósitos auspiciosos. Os chineses têm também a tradição de escrever os seus desejos com tinta preta em tiras de papel vermelho e pendurá-los na porta de entrada. Para os chineses, o preto representa a água e a sabedoria; o vermelho representa o fogo e o sucesso.

Assim como os chineses e outros povos que seguem essa tradição, a Asia Shipping enxerga 2020 como um ano de renovações em diversos aspectos após o sucesso que a empresa obteve em 2019 com sua expansão global, certificações, participação em feiras internacionais e organização do maior evento de logística do Brasil. “2020 será um ano maravilhoso para a AS, manteremos a nossa base que nos deu tanto orgulho em 2019, mas não deixaremos de lado a inovação e o crescimento, assim como prometido pelo ano do rato”, explica a maior integradora logística da América Latina.

 

Matéria veiculada originalmente no Portal Terra

 



Mercado
Serviços
Cabotagem

Empresas devem ver o overcapacity como oportunidade para a cabotagem

Como vários outros segmentos da economia, o comércio exterior precisou se reinventar após a crise de 2008, cuja uma das consequências foi a alta deliberada do preço do combustível em 2010. Esse cenário, forçou os armadores a utilizarem navios maiores para o transporte de cargas, que na época, era a solução mais econômica e eficiente. Porém, isso gerou um overcapacity, excesso de capacidade dos navios, e trouxe algumas restrições operacionais ao longo dos anos. Tudo isso, por sua vez, deve ser inspirador para que se pensem em medidas de melhor aproveitamento do uso desses navios para uma logística interna inteligente: a cabotagem.

Leandro Barreto, administrador de empresas, especializado em Economia Internacional e em Inteligência Competitiva esteve presente no maior evento de Comex do Brasil, o Perxpectivas 2020, para falar de Capacidade do Mercado e destacou os altos e baixos no transporte de carga nos últimos anos. O especialista em transporte marítimo ressaltou que passada a época em que o overcapacity era mais vantajoso economicamente, ele se tornou um problema para os armadores que não mais conseguiam transportar tamanha quantidade de mercadorias. 

Por outro lado, o overcapacity não mexeu apenas nos navios, mas também em alguns portos, especialmente no Brasil. Barreto explica que para suportar a chegada desses grandes navios, terminais mais novos e modernos como BTP, Portonave, DPW e Itapoá cresceram de forma acelerada na última década por proporcionarem layout apropriado para recebê-los. 

Para a Asia Shipping, idealizadora do Perxpectivas 2020 e maior integradora logística latino-americana, a cabotagem é uma das opções para aproveitar esses navios grandes. “Recomendada no transporte de longas distâncias, a cabotagem é adequada para operações cujas cargas estejam em origem e destino a 200km da costa brasileira”, explica a empresa, que reforça ainda que além de sustentável, o transporte marítimo é mais econômico que o modal rodoviário e com menor índice de avarias.

A ideia inicial, que ocasionou o overcapacity em 2010, era reduzir a velocidade dos navios (para menor consumo de combustível) e assim, diminuir o custo unitário de transporte. A AS acredita que além do frete, o aproveitamento destes navios para o uso da cabotagem irá estimular um modal ainda pouco explorado no Brasil e que pode trazer inúmeras vantagens. “Essa navegação deve incentivar a reestruturação dos portos, que irá impactar diretamente na melhoria da prestação dos serviços de comércio exterior”, afirma.

Levando em conta que grandes cidades e pólos industriais estão concentrados no litoral ou em cidades próximas, a cabotagem pode ser ainda mais rentável e econômica. Entre os pontos fortes do uso deste modal, destaca-se o menor consumo de combustível por tonelada transportada e o menor custo por tonelada-quilômetro transportada, além do reduzido registro de acidentes. Para a AS, a adoção da cabotagem pode também ser considerada uma das maneiras de adesão ao IMO 2020, devido à menor emissão de poluentes que traz um grande benefício ambiental.

Artigo originalmente publicado em Mundo do Marketing

Mercado

Cenário da exportação do milho no Brasil alerta para melhoria logística

Avaliar constantemente o movimento do mercado é muito importante para entender as perspectivas para o próximo ano, bem como fazer um balanço do comércio exterior no Brasil. Assim, é possível entender a maneira como as demandas deverão se comportar e se as estruturas logísticas do país estão preparadas para isso ou o que é preciso fazer para adequá-las. Um cenário bastante promissor e que ajuda a impulsionar essas mudanças é o da exportação do milho no Brasil. Com um saldo bastante positivo, a expectativa é de que até o ano acabar esse valor cresça ainda mais. 

Segundo a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), no acumulado do ano até 23 de novembro, a exportação de milho atingiu 36,7 milhões de toneladas e deverá avançar até o final de dezembro para cerca de 41 milhões de toneladas, fechando 2019 em novo recorde. Isso aponta que os exportadores de milho do Brasil estão em um ano bastante promissor, graças a uma grande safra.

A maior integradora logística da América Latina, Asia Shipping (AS) , afirma que como reflexo, percebe-se a elevação do país como um importante fornecedor global do produto. “Até 2019, o domínio da exportação do milho era dos Estados Unidos e ver o Brasil alcançando essa marca nos traz boas perspectivas de crescimento”, afirma. A multinacional reforça ainda o importante papel da logística, que precisa se aperfeiçoar a cada dia. “Perceber esse avanço nos encoraja a tornar nossas operações ainda mais precisas e inteligentes, para atender tamanha demanda”.

De acordo com matéria publicada na Reuters, o Brasil hoje exporta quase quatro vezes a quantidade de milho que exportava há uma década, com as vendas decolando após uma série de safras ruins dos EUA entre 2010 e 2012. O recorde anterior na exportação do Brasil havia sido visto em 2015, com 30,7 milhões de toneladas, segundo a Anec. Para o assistente-executivo da Anec, Lucas de Brito, as exportações de milho do Brasil deverão crescer ainda cerca de 80% em 2019, na comparação com 2018, impulsionadas por um câmbio favorável, uma safra recorde e bons preços no mercado internacional, após a colheita norte-americana sofrer perdas por problemas climáticos.

A elevação da exportação do milho é apenas um exemplo que mostra para a AS como a evolução dos processos logísticos devem acompanhar o mercado. “Esse é um momento muito oportuno para avaliarmos como temos atuado e o que podemos fazer para melhorar os serviços”, explica. A empresa afirma que manter um diálogo aberto com representantes do setor é fundamental para entender suas dores, bem como avaliar sua capacidade interna de expansão e como os investimentos futuros podem ser melhores empregados.

Matéria publicada originalmente no Mundo do Marketing

Mercado

Multinacional orienta como enfrentar a redução do crescimento da economia

Embora o comércio exterior brasileiro tenha indicadores de crescimento, como recentemente visto com a exportação do milho, eles não são suficientes para a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) fazer uma alta projeção de crescimento. De acordo com o G1, a entidade reduziu a previsão de crescimento da economia mundial para 2020, passando a projetar um crescimento de 2,9%, ante estimativa anterior, divulgada em setembro, de alta de 3%, em razão da ameaça persistente de tensões comerciais. Para 2019, a projeção de crescimento foi mantida em 2,9% – menor taxa de crescimento anual desde a crise financeira de 2008/2009. Em 2018, o Produto Interno Bruto (PIB) global cresceu 3,6%.

A grande questão é que o mercado internacional é bastante variável, pois existe uma série de investimentos e incertezas que tornam os dados suscetíveis a mudança constantemente. Inclusive, um dos argumentos da OCDE para a redução da projeção de crescimento da economia global no próximo ano são “os conflitos comerciais, o fraco investimento privado e a incerteza política persistente pesam sobre a economia mundial e aumentam o risco de estagnação a longo prazo”, conforme divulgado pelo G1.

Mesmo com uma perspectiva de crescimento menor que a anunciada anteriormente, as empresas do ramo logístico não devem se estagnar e aguardar que a expectativa aumente. Muito pelo contrário. Essa é uma oportunidade de fazer mudanças estratégias e que poderão fazer a diferença. Para a Asia Shipping (AS) , maior integradora logística latino-americana, o setor deve ser o primeiro a começar a puxar a economia. “Existem empresas que se apoiam na ideia de que as compras e vendas precisam estar aquecidas para o comércio exterior fluir de maneira positiva para o setor logístico. Contudo, nós da AS acreditamos que é preciso entender o que ocasiona a oscilação da economia e começar a atuar em cima disso”, afirma.

A empresa destaca que muitos dos problemas enfrentados no comércio internacional podem ser ocasionados por falhas no envio e recebimento de mercadorias. “Nem sempre o problema está no produto, mas na maneira como ele é transportado. E isso diz respeito a nós”, reforça. Pensando nisso, a AS busca sempre estar à frente do mercado, atenta a essas movimentações e buscando aliar seus serviços à máxima eficiência e tecnologia . “Assim, conseguimos atender melhor nossos clientes e parceiros e contribuir efetivamente para uma logística modelo”.

Ainda segundo o G1, entre as principais desacelerações previstas para o ano que vem, o destaque vai para os Estados Unidos (com alta do PIB de 2,3% em 2019, recuando para 2% em 2020), China (6,2% em 2019 e 5,7% em 2020) e Japão (1% em 2019 e 0,6% em 2020). Em uma perspectiva otimista, a estimativa da OCDE é de uma expansão de 3% em 2021, mas só se uma série de riscos que vão de guerras comerciais a uma acentuada desaceleração chinesa sejam contidos.

No cenário interno, para o Brasil, a previsão de crescimento do PIB foi mantida em 0,8% para 2019 e em 1,7% para 2020, mas passou a ver crescimento de 1,8% em 2021, ante alta de 2% estimada em setembro.

Artigo veiculado no Mundo do Marketing.


Mercado
Últimas notícias
Brasil

Mudança no Sistema Tributário Brasileiro prevê a unificação dos impostos

Para uma economia saudável em que todos saiam ganhando, é fundamental que sejam reestruturados alguns pontos importantes do Sistema Tributário Brasileiro. Isso é o que declara o economista e ex-deputado Luiz Carlos Hauly. Em palestra durante o evento Perxpectivas 2020, ele afirmou que extinguir os impostos existentes é a melhor opção.

De grandes empresas ao pequeno consumidor, uma das maiores queixas financeiras é o alto valor de imposto pago. Atualmente no Brasil, seja para abrir uma empresa, contratar um profissional, ou mesmo adquirir um produto ou serviço, é implicado uma série de impostos que correspondem a uma boa parte do que é gasto. Tamanha insatisfação gerou a necessidade de mudar esse cenário, daí surgiu a Proposta de Emenda à Constituição, a PEC 293/2004, para buscar meios de unificar o Sistema Tributário Brasileiro em menos fontes de arrecadação.

De autoria do ex-deputado Luiz Carlos Hauly, a PEC 293/2004 tem por objetivo evitar que o país passe por outras crises oriundas desse Sistema Tributário, cujo histórico aponta que foram inúmeras ao longo desses anos de vigência. Sua proposta é fazer com que a tributação brasileira deixe de ser declaratória, extinguindo uma série de tributos, o que exige uma reengenharia no perfil de arrecadação. Durante o Perxpectivas 2020, Hauly afirmou que essa medida tornaria o modelo de tributação mais justo a todos, da empresa ao consumidor. Segundo o economista, o atual sistema vem prejudicando a economia e impedindo novos investimentos, tão importantes para o progresso do país.

Sua proposta, aprovada em uma comissão especial da Câmara no ano passado, extingue oito tributos federais (IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins, Salário-Educação e Cide-Combustíveis), o ICMS (estadual) e o ISS (municipal). A ideia é mudar o Sistema Tributário Brasileiro de modo a criar, em substituição a esses tributos, um imposto sobre o valor agregado de competência estadual, chamado de Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), e um imposto sobre bens e serviços específicos (Imposto Seletivo), de competência federal.

De acordo com Hauly, o Brasil tem o 184º pior Sistema Tributário entre os 190 países pesquisados pelo Banco Mundial. São mais de 6 milhões de normas tributárias desde a Constituição Federal de 1988 (segundo o IBPT). Além de acarretar um grande número de processos burocráticos para as empresas, isso gera uma enorme injustiça social na distribuição de carga tributária, pois hoje, quem ganha mais paga menos e quem ganha menos paga mais. Essa é uma das maiores repulsas do ex-deputado.

O Perxpectivas 2020 foi um evento realizado pela maior integradora logística da América Latina, Asia Shipping (AS) que reuniu importantes nomes do mercado para um debate de ideias e importantes explanações sobre o cenário atual. A empresa acredita que assuntos como esse precisam estar em evidência especialmente às empresas que trabalham com comércio exterior e, consequentemente, precisam calcular seus serviços com base nos impostos de importação e exportação. “Essa foi apenas a primeira edição de um evento que pretendemos realizar todos os anos, sempre atualizando o setor sobre como desenvolver seus serviços de maneira otimizada e dentro das perspectivas do mercado”, afirma.

 


Mercado
Últimas notícias
Brasil

Asia Shipping garante certificação da ABNT ISO 9001 por mais um ano

Ter um certificado de que os processos da empresa são realizados de acordo com os padrões de qualidade é fundamental para atestar sua responsabilidade com o cliente. A ISO 9001 é uma das responsáveis por essa validação e é com muito orgulho que a Asia Shipping (AS) , maior integradora logística latino-americana, informa que a certificação da ISO 9001:2015 está garantida por mais um ano na empresa. Essa garantia se deu diante da auditoria de 1ª supervisão que foi concluída de maneira satisfatória.

De acordo com Silvana Antunes Tavares, coordenadora de Qualidade e Processos da AS, a auditoria de supervisão da certificação ABNT ISO 9001:2015, ocorreu no mês de novembro na matriz e filiais da empresa. “Neste ciclo, foram incluídos novos processos de apoio que passaram a fazer parte do Sistema de Gestão”, conta. Isso mostra o quanto garantir a certificação ISO 9001 envolve uma série de atividades e mudanças constantes na corporação. É fundamental que os processos sejam continuamente adequados às necessidades dos clientes e à realidade da empresa. São eles que tornarão a empresa apta a realizar suas atividades com o aval da ISO.

Muitas vezes, a certificação exige determinadas mudanças para as empresas, mas a AS está sempre à frente e busca aperfeiçoar os seus serviços continuamente, sem a necessidade de aguardar que uma auditoria seja realizada para tal mudança. Sobretudo, Silvana reforça que a empresa está sempre aberta a ouvir os apontamentos não só da ISO, como também de seus clientes e parceiros para tornar o trabalho da AS cada vez mais apropriado para o que o mercado precisa.  “Esse ano também implementamos a Gestão de Mudanças ao nosso sistema integrado, o que nos permitirá comunicar com sucesso nossos processos, facilitando a interação dos colaboradores”, explica a coordenadora de Qualidade e Processos da AS.

Para que tudo isso seja possível, é imprescindível que todos os empregados realizem por perfeição suas atividades e também sejam proativos para sugerir melhorias nos processos. Silvana reforça que o resultado da auditoria de supervisão da certificação ABNT ISO 9001:2015 foi satisfatório devido ao comprometimento de todos os envolvidos. “Foi devido a esse empenho que conseguimos fechar nossa auditoria externa sem nenhuma não conformidade, garantindo um sistema eficaz e buscando sempre a melhoria contínua”, finaliza.

Além da ISO 9001, a empresa possui outras certificações que garantem a eficiência de seus serviços, que a tornam a maior integradora logística da América Latina. Mais informações podem ser obtidas no site https://www.asgroup-portal.com/

Matéria veiculada no Portal Terra.

 


Mercado
Brasil

Asia Shipping recebe Selo Verde por suas boas práticas ambientais

Poluição, efeito estufa e desmatamento são alguns dos problemas em que mais se ouve falar a respeito de meio ambiente. Regulamentar as atividades de uma empresa para anular esses efeitos indesejados na natureza é muito mais do que uma obrigação, é um ato de respeito. A Asia Shipping (AS), maior integradora logística latino-americana faz questão de levantar essa bandeira, e como prova desse trabalho focado em boas práticas ambientais, recebeu o Certificado de Destaque Ambiental, Selo Verde 2019.

Concedido pelo Jornal do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, o Certificado de Destaque Ambiental tem por objetivo atestar a qualidade sustentável e as boas práticas desenvolvidas pelas empresas em prol da vida e do meio ambiente. Trata-se de um reconhecimento de um seleto grupo de empresas que comprovam, por meio de pesquisa, que seus ciclos de vida cuidam do Planeta e da vida que nele habita. Para a AS, esse é um importante reconhecimento do enorme trabalho realizado pela empresa na busca do aperfeiçoamento de suas atividades. “De nada adianta atuarmos no mercado com procedimentos precisos, mas que comprometem a natureza. E é justamente por isso que sempre nos preocupamos em fazer o melhor em todas as atividades, respeitando a natureza”, destaca a empresa.

O Selo Verde tem por objetivo conferir licenças operacionais emitidas pelos Órgãos Ambientais nas esferas Municipal, Estadual e Federal. Isso ocorre a partir do reconhecimento de que as empresas que receberam o Certificado de Destaque Ambiental estão adequadas de acordo com a política de Meio Ambiente pelos seguintes critérios de avaliação: água, efluentes, energia, matéria-prima, resíduos, emissões atmosféricas e educação ambiental. “É uma honra fazer parte deste grupo de empresas homenageadas pelo Jornal do Meio Ambiente, pois isso demonstra que eles acreditam em nosso compromisso com o desenvolvimento sustentável e com as boas práticas ambientais dentro da empresa”, destaca a multinacional.

O Jornal do Meio Ambiente acredita que o Selo Verde é importante devido aos inúmeros impactos ambientais causados pela ação humana, especialmente nas empresas. “Ele serve de alerta para os consumidores que estão cada vez mais informados pela mídia, sobre a conservação e degradação ambiental”, reforça a instituição. A ideia é fazer com que essas e outras organizações passem a adotar cada vez mais estratégias para uma devida gestão sustentável, dado que a cada dia as pessoas têm buscado produtos e serviços de empresas realmente comprometidas com a causa. “Adotem novas ideias, novas práticas para um crescimento e desenvolvimento ecologicamente correto”, finaliza a entidade idealizadora do Selo Verde, incentivando que as empresas tenham um olhar diferenciado para o meio ambiente.

Além do Selo Verde, AS tem ainda outros certificados e premiações que demonstram seu comprometimento com um trabalho de qualidade e sempre respeitando as legislações, disponíveis em seu site.

 

 


Mercado
Brasil
Serviços

Asia Shipping se associa ao Sindusfarma para contribuir com logística farmacêutica

O ingresso no mercado de logística farmacêutica nacional e internacional é um importante passo que a maior integradora logística da América Latina, Asia Shipping (AS) , acaba de dar. Para a companhia, que visa expandir cada vez mais sua área de atuação, a parceria com o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sidusfarma) irá proporcionar à indústria uma gestão logística aduaneira mais competitiva, sem abrir mão da qualidade. 

O produto “Pharma & Healthcare”, desenvolvido pela AS, é voltado para os importadores e exportadores do mercado da saúde, como a indústria farmacêutica, e os atuantes da cadeia de produção da saúde, como embalagens, equipamentos, matérias primas, materiais utilizáveis, próteses, medicamentos de todos os tipos, reprodução assistida, pesquisa clínica e medicamentos controlados. A função da Asia Shipping é garantir a plena gestão logística, em que as cargas sejam devidamente controladas e monitoradas durante toda a cadeia de suprimentos, podendo também atuar no controle de temperatura de cargas que podem variar de -196°C até +40°C.

“Com um sistema de gestão da qualidade certificado e já estabelecido de acordo com as novas resoluções RDC 301/2019 e RDC 304/2019, contando ainda com uma célula exclusiva que acompanhará os processos desde a origem até a entrega, a Asia Shipping oferece o mesmo padrão de qualidade que o mercado o farmacêutico está habituado a exigir de outros fornecedores”, explica Jackson Campos, Head de Pharma & Healthcare da AS.

A Asia Shipping se associou ao Sidusfarma para contribuir ativamente na construção de uma gestão logística farmacêutica mais eficiente e competitiva. A ideia é participar de grupos de trabalho e se atualizar de cada movimento do setor para que o paciente receba sempre o melhor produto, pelo menor custo possível. A coordenação deste projeto está nas mãos de Jackson Campos, cuja atividade na AS começou em meados de setembro. O profissional conta sua experiência ao chegar na multinacional. “Encontrei uma corporação muito estruturada e comprometida com a qualidade, valor que me acompanha desde que iniciei minha carreira no mercado de comércio exterior”.

Campos ressalta ainda que já atuou com gestão logística no setor e pretende contribuir ativamente para o sucesso dessa implementação na AS. “Na empresa anterior, eu atuei diretamente no mercado farmacêutico, qualificando parceiros, prestando consultorias e auxiliando os atuantes da indústria a reduzirem seus custos com eficiência e segurança. O desafio agora é trabalhar com o já muito competente time da AS, utilizando a minha vivência na logística farmacêutica e estabelecer um marco de qualidade no setor”, finaliza.

A Sidusfarma é a maior entidade representativa do setor industrial farmacêutico do país que atua junto aos organismos reguladores e participa de grande parte das tomadas de decisão. Fundada em 26 de abril de 1933, a entidade defende diversas causas da indústria farmacêutica. Entre o rol de atividades está a permanente atenção sobre a legislação e regulamentação sanitária e sindical-trabalhista, econômica e tributária, a contribuição com os órgãos governamentais, a negociação de convenções coletivas de trabalho com as entidades das categorias profissionais e trabalhadores em geral, entre outras.